quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Segundo alguns génios da Internet, ao Benfica...


...vai acontecer a mesma catástrofe que eles previram e anunciaram após a saída de Matic em Janeiro passado. 

A mesma... preparem-se que eles percebem muito disto.




segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Chegou como menino birrento sai como...


...grande campeão!

Mais que jogadores, no Benfica formam-se campeões!

Obrigado e até sempre Enzo.





P.S. (piada seca) Se este "gajo que não vale nada e que só veio para o Benfica por causa das comissões" foi vendido por 25 milhões, imaginem quanto não valeria hoje um 'David Simão' que os entendidos diziam ser muito melhor que este!


domingo, 28 de dezembro de 2014

Ó Carriço, a questão é que além de muitos portugueses...


...da associação ILGA e de mais algumas minorias desejarem que ganhasses a final da Liga Europa quem concretizou esse desejo foi um alemão. 

O Peter Lim boicotou o avião



"O médio do Benfica deveria apresentar-se este domingo de manhã no Seixal, mas uma avaria no avião da Iberia impediu-o de sair de Buenos Aires, na Argentina."

Querem-me convencer que foi coincidência?

sábado, 27 de dezembro de 2014

Uma interrogação ao jeito de "Alguém me explica..."


Alguém me explica o que é que se ganha com estas entrevistas sucessivas de Jorge Jesus ao Record e à Bola?

Para além de não trazerem nada de novo, são agoirentas.




P.S. Mais agoirenta ainda é entrevista que o presidente irá dar dia 1 de Janeiro ao pasquim do Serpa... só estamos a avisar


sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

Olha-me este a esconder a crise do Benfica ou do Porto.


José Eduardo, antigo jogador do Sporting, confirmou que não há condições "nenhumas" para que Marco Silva continue à frente da equipa. 
"Evitável seria quando contratámos Marco Silva. Acreditámos que era um projeto ideal para um treinador jovem, mas logo à partida deixou de ter essa condição. Pensei ingenuamente que era o homem ideal para o projeto mas não é", comentou à RTP Informação. 
"Marco Silva tem uma agenda própria, tem interesses próprios que não são os do Sporting. São os interesses de outras entidades, eventualmente do seu empresário. Tenho imensa pena de dizer isto porque quis defendê-lo até ao último momento, mas a verdade é que a vida continua. O Sporting vai ultrapassar esta crise e o Marco Silva é que põe o futuro dele em causa, porque se liga a interesses de gente que pretende destruir o Sporting. Estamos na presença de uma situação que não é tao simples quanto parecia", acrescentou. 
José Eduardo diz mesmo que a decisão já devia ter sido tomada: "Devia ter sido antes, o Bruno de Carvalho até foi demasiado tolerante face aos dados que tenho. Estou a dizer isto de plena consciência. O Marco Silva não está interessado em ficar no Sporting porque o projeto não é um projeto dele. Lamento que tenhamos sido enganados. Chegámos ao fim da linha, não há condição nenhuma para continuar. Não tem a equipa com ele. Essa é uma falácia, a equipa está dividida, há problemas muito graves. O projeto da academia nunca foi agarrado pelo treinador".
in Record às 18:59 do dia 26/12/2014

Informamos os nossos estimados leitores que às 19:01 tivemos conhecimento destas declarações do BdC à LagartoTv:
Bruno de Carvalho fala de "manipulação evidente" e diz que "é absurdo falar de crise no Sporting". 
"Isto só acontece para esconder algo de grave que se passará noutros clubes", atirou.

Para não darem destaque à crise lagarta...


...o Record até dá prémios ao Jorge Jesus!

Ultima crónica da Leonor Pinhão... em 2014


Crónica de hoje da Leonor Pinhão


Uma revisão crítica e indiscriminada do ano de 2014

POLÍCIA DO ANO
ANÓNIMO
Trata-se do agente da PSP que, naquela noite de Abril em que o Benfica festejou o seu 33.º título no Marquês, tentou prender Jorge Jesus confundindo-o com um adepto, tal era a euforia do treinador e a festiva indumentária com que se apresentou enroupado. Ressalve-se que o agente da polícia libertou o nosso treinador assim que deu conta do erro. Ainda há justiça em Portugal.

APARECIMENTO DO ANO
SHIKABALA
O Sporting contratou Shikabala, a vedeta egípcia instável, que até se deu ao trabalho de aparecer em Alvalade para tirar fotografias e, algumas vezes, em Alcochete para se equipar com os colegas. Manuel José ainda disse: “Pode ser que tenha ganho juízo”. Mas nunca se percebeu muito bem a quem se referia diretamente Manuel José que é, sem dúvida, o mais egípcio dos treinadores portugueses.

DESAPARECIMENTO DO ANO
SHIKABALA
Desde a Páscoa que ninguém sabe de Shikabala em Alvalade. Inevitavelmente, lá veio à liça Manuel José, o nosso maior especialista em temas egípcios: “Se me tivessem telefonado antes…”

MODALIDADE DO ANO
HÓQUEI EM PATINS
Ora cá está, finalmente, a consagração de uma modalidade que, tal como acontece com o bilhar, dispensa os fiscais-de-linha. Talvez por essa razão tem o Benfica vindo a ser imensamente feliz. Sobretudo nas suas deslocações a casa do rival Porto, seja para competições nacionais seja para competições internacionais, sempre, sempre sem fiscais-de-linha.

CONVALESCENTE DO ANO
FEJSA
Ljubomir Fejsa, continuação de boas melhoras!

VAI-VÉM DO ANO
PAULO FONSECA
Começou 2014 no Porto e terminou 2014 em Paços de Ferreira. Já em 2013 lhe tinha sucedido precisamente o contrário. Começou 2013 em Paços de Ferreira e terminou 2103 no Porto. Veremos se a coisa fica por aqui.

CANÇÃO DO ANO
“O CAMPEÃO VOLTOU”
Com letra e música de autores anónimos, eis a canção que em 2014 mais encantou uma grande fatia da população. Entra no ouvido que é uma beleza: “O campeão voltou, o campeão voltou, o campeão voltou!”

PERSONAGEM LITERÁRIA DO ANO
D’ARTAGNAN
“Conheciam tanto o Talisca como eu o D’Artagnan!”. E assim, perentório, acabou Jorge Jesus com a prosápia dos tipos do Chelsea que reivindicavam a descoberta do jovem brasileiro. O treinador do Benfica atirou-lhes com um personagem de um romance francês do século XIX e o baiano, em jeito de agradecimento, desatou a marcar golos.

ESTÁTUA DO ANO
CRISTIANO RONALDO
A Madeira homenageou em bronze o seu filho mais célebre. Cristiano Ronaldo tem a partir de agora uma estátua sua numa avenida principal do Funchal. Toda a família Aveiro compareceu em peso à inauguração do monumento de 800 quilos. Quanto à altura, são 3 metros e 40 centímetros de Cristiano Ronaldo. O que importa é que todos estavam felizes. A estátua também parecia estar muitíssimo feliz, certamente por ver tanta gente bem vestida à sua volta.

MÁRTIR DO ANO
CARLOS MANÉ
“Temos de dar a vida pelo presidente!” foi, sem qualquer espécie de dúvida, a proclamação mais impressionante de 2014 no capítulo da martirologia.

SAMBA TRISTE DO ANO
SELECÇÃO
No Mundial do Brasil, a seleção nacional sambou pouco e mal, regressando a casa muito rapidamente. Valeu-nos a miserável campanha do “escrete” a jogar em casa para nos livrar de uma nova antologia de anedotas brasileiras a gozar com os portugueses “da bola quadrada”.

LIVRE À PANENKA DO ANO
GAITÁN
O momento artístico dos momentos artísticos vividos no Estádio da Luz aconteceu no jogo com o PAOK, para a Liga Europa, quando Nico Gaitán cobrou um livre e de tal forma que a bola, quando entrou na baliza, parecia ainda não ter saído do pé do argentino.

ALIANÇA DO ANO
SPORTING-FIFA
Enquanto, por cá, Benfica e Porto estabeleceram uma aliança muito criticada que conduziu Luís Duque à presidência da Liga, lá por fora o Sporting dá cartas estabelecendo com a FIFA uma aliança que vai acabar com os fundos de investimento. Blatter não dá um passo sem telefonar para Alvalade.

PALAVRA DO ANO
PEANUTS
Corria o mês de Fevereiro e na sua conferência de imprensa de antevisão do jogo com o Vitória de Guimarães, questionado sobre a “pressão” que caía sobre a equipa, Jorge Jesus respondeu: “Pressão? Isso para nós são peanuts!”. Foi um sucesso de proporções ainda hoje incalculáveis.

GAFFE CINEMATOGRÁFICA DO ANO
BRUNO DE CARVALHO
Comentando a ausência de Shikabala do seu local de trabalho, o presidente do Sporting disse: “Ele não é o Rambo, o Shikabala está desaparecido mas não está desaparecido em combate.” Ora, qualquer pessoa minimamente instruída sabe muito bem que o protagonista da série de filmes “Desaparecido em Combate” não é o Rambo, é o coronel James Braddock interpretado por esse grande ator chamado Chuck Norris. Elementar!

NOME DO ANO
MANEL
Corria o mês de Janeiro e, sendo iminente a saída de Matic para o Chelsea, o treinador do Benfica viu-se confrontado pela imprensa com a perda do importante jogador. Ao que respondeu: “Se não jogar o Matic, joga o Manel.” De tal modo causou impacto esta afirmação que, para muita gente, o título de 2013/2014 ficará para sempre como “o campeonato dos Manéis”, tantos e tão bons foram os Manéis chamados a participar.

ADVERSÁRIO DO ANO
RIO AVE
Em 2014 o Benfica ganhou três finais ao Rio Ave. Começou pela Taça da Liga, seguiu-se a Taça de Portugal e terminou com a Supertaça. Nenhuma delas foi fácil, antes pelo contrário. Com a embalagem com que íamos foi uma pena o Benfica não ter jogado a final da Liga Europa com o Rio Ave.

MUSEU DO ANO
MUSEU COSME DAMIÃO
A Associação Portuguesa de Museologia atribuiu ao Museu Cosme Damião o prémio para o Museu Português do Ano de 2014. Três “vivas!” a Cosme Damião e aos sonhadores, dinamizadores e trabalhadores do Museu do Benfica!

FALHA DO ANO
EQUIPAMENTO ALTERNATIVO
Passou-se mais um ano. Um ano civil que é igual a duas meias-temporadas futebolísticas. E, mais uma vez, aliás, mais duas vezes, o Benfica não conseguiu impor aos seus ideólogos do Marketing o mais belo dos equipamentos alternativos, aquele que está determinado nos Estatutos redigidos pelos fundadores do clube e que, passo a descrever: camisola branca, calção branco e meias brancas.

LANÇAMENTO LATERAL DO ANO
MAXI PEREIRA
Corria o minuto 35 do Porto-Benfica a contar para a Liga 2014/2015 quando Maxi Pereira, à força braçal, meteu a bola na anca de Lima que se encontrava liberto de marcação na área dos visitados. Foi golo.

ENGENHEIRO DO ANO
LOPETEGUI
Julen Lopetegui trouxe a modernidade para o futebol português. Para melhor observar a evolução dos seus jogadores durante os treinos, o treinador do Porto mandou erguer uma torre com 7 metros de altura. É muito metro. Tem a torre de Lopetegui, por exemplo, mais 3 metros e 60 centímetros em altura do que a estátua de Cristiano Ronaldo inaugurada no Funchal que só tem 3 metros e 40 centímetros de altura como já foi referido nesta resenha do ano.

MOMENTO JUDICIAL DO ANO
PINTO DA COSTA
No nosso futebol que, num passado ainda próximo, foi tão impiedosamente devassado pela actividade judicial, há que dar graças por um ano tranquilo e sem investidas. A única notícia assinalável do foro da justiça terá sido a visita do presidente do Porto ao estabelecimento prisional de Évora dois dias depois da visita de Lima ao Dragão.

ROUBO DO ANO
PEDRO PROENÇA
Vítima dos poderosos lobbies internacionais, que não se comparam em perfídia aos nossos simpaticíssimos lobbies nacionais, Pedro Proença viu-se roubado da sua tão ansiada final do Campeonato do Mundo de Clubes que se disputou em Marrocos. No seu lugar apareceu um árbitro guatemalteco para apitar o jogo. Imagine-se, um guatemalteco! E todo despenteado.

FINAL EUROPEIA PERDIDA DO ANO
BENFICA
Um ano depois de ter perdido a final da Liga Europa para o Chelsea, o Benfica voltou a perder a final da Liga Europa mas para o Sevilha. Uma coisa é certa para 2015: o Benfica não perderá a sua terceira final europeia consecutiva. Mas, mesmo disso, vamos ter saudades.

CLÁUSULA DE RESCISÃO DO ANO
SKIKABALA
A fuga de Shikabala está, para já, a prejudicar o Sporting em 45 milhões de euros. Trata-se do valor da faraónica cláusula de rescisão imposta no contrato de quatro anos e meio que liga o egípcio ao clube de Alvalade e que continua em vigor até 2017.

MULTA DO ANO
LUISÃO
Ficou por 60 mil euros a brincadeira de Luisão num jogo particular disputado no território da Alemanha, atirando ao chão um árbitro alemão compatriota do outro árbitro alemão que haveria de apitar a final de Turim e que bem tramou o Benfica por solidariedade patriótica.

RECEITA MÉDICA DO ANO
BLACK OUT DO SPORTING
O departamento clínico de Alvalade, numa medida profilática que já tardava, receitou o silêncio obrigatório de manhã, à tarde e à noite. Trata-se de uma tentativa de silenciar o presidente englobando-o, discreta e diplomaticamente, no conjunto de funcionários do clube.

PREVISÃO DO ANO 2015
“Vêm aí dias difíceis”, disse o treinador do Benfica depois do jogo com o Gil Vicente que os campeões nacionais se viram aflitos para ganhar. Se o mercado de Verão levou uns quantos titulares indiscutíveis do belo Benfica de 2013/2014, a próxima abertura do mercado de Inverno promete levar mais uns quantos. E o problema é que, à primeira vista, já nem há Manéis.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Porque o Natal não é igual para todos...


...desejamos que tenha uma quadra natalícia recheada de lideranças.

Feliz Natal








P.S. São tantas que até a caixinha do Futsal ficou lá atrás sem se ver

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Sinais para o futuro? (um post ao jeito do Seara)



Confirmado que está o empréstimo de Nelson Oliveira ao Swansea e a confirmarem-se os empréstimos de Jara, Bebé, Suljemani e Lisandro para além dos jogadores mais simbólicos da B, Helder Costa, Rui Fonte e Gonçalo Guedes isso pode ter duas leituras (cá está a searice).

Reduzir em muito o plantel pode ter de facto duas leituras: Ou Jesus está já a preparar a próxima época e quer os jogadores a rodar mesmo correndo o risco de fazer o resto da época com menos opções de forma a que possam entrar com mais ritmo e experiência na próxima época ou pelo contrário a direcção cansou-se do treinador não se mostrando complacente na hora de reduzir o plantel. 

De qualquer forma, até final da época ficaremos mesmo com menos opções. Já aconteceu antes. 

Como gostaria, há dois anos, de ter visto entrar o Bruno César em vez do Carlos Martins contra o Estoril em casa ou ter no banco um Rúben Amorim capaz de dar uma arroxada ao Kelvin ainda antes dele começar a correr.

Que lhes tenha servido de exemplo. 




segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Pinto da Costa está a perder qualidades.


Veio hoje lembrar desportos jogados com um pau que não têm fiscais de linha. Boa recordação:













De olhos bem fechados...


...na lugar onde é impossível analisar foras-de-jogo!


O Record inicia hoje uma nova vertente na análise aos lances: "de olhos fechados"

Ao minuto 66 ocorreu um lance onde 3 jogadores do Sporting saltam sobre um jogador do Nacional o Carrilho coloca-lhe as mãos em cima da cabeça (o que já seria motivo para penalti) cortando a bola com a mão. Em nenhuma câmara da SporkusTV se consegue visualizar a cara do Carrilho mas para o Record talvez não seja penalti porque o Carrilho estava de "olhos fechados"... mas "podia ser". Podia, podia ser fosse um jogador do Benfica a fazer aquilo, não só podia, como certamente seria.

Depois ainda de olhos fechados o Record passa à análise ao lance ocorrido dois minutos depois. Um fora-de-jogo mal assinalado a Rondon que se iria isolar. Aqui ainda que de olhos fechados pode-se concluir que estava em jogo mas logo se lança uma impossibilidade geométrica ao campo da Choupana. Aquela montanha da Madeira é o único local do mundo onde "se torna quase impossível a análise aos foras-de-jogo".

Concluindo a análise à arbitragem do arbitro que lhes ofereceu o ultimo titulo de campeão, já no longínquo ano de 2001 diz o Record que apesar de não ter assinalado um penalti contra o Sporting e ter cortado uma jogada legal onde Rondon se iria isolar, o arbitro Duarte Gomes "soube evitar problemas"


Soube evitar problemas... à lagartada.

Fui, com curiosidade verificar a ficha técnica do Record para ver se esta crónica tinha sido escrita pelo Rui Oliveira e Costa que ontem na RTPorto estava visivelmente acompanhado da sua cadela favorita. Aliás o Trio d'ataque de ontem foi um programa histórico ao invocar o saudoso programa de rádio "Pão com Manteiga" e a sua famosa rubrica o "ROC e a Amiga", onde o lagarto das sondagens afirmou que a unidade se obtém da soma de 80% com 90%. 

Voltando ao Record: Se o gajo das sondagens dá cabo da matemática porquê deter-se com geometrias e factos? Têm razão... num país de poetas porque haveria do jornalista destacado para analisar a arbitragem da Choupana se agarrar à análise rigorosa quando pode perfeitamente criar um romance? O titulo é sugestivo e pode ser uma boa prenda de natal a quem aprecie o género: "De olhos bem fechados na terra onde a geometria é uma treta."

domingo, 21 de dezembro de 2014

E quando pensava que tinha nascido um novo estilo de jornalismo...


...incisivo, verdadeiro, disposto a denunciar todos os erros de arbitragem ao ver que após ter acabado o jogo do Benfica todos os canais noticiavam em última hora o fora de jogo que havia dado os 3 pontos ao Benfica fiquei desiludido quando horas mais tarde voltaram ao passado quando analisam as queixas de Domingos Paciência. 

Ao ver a forma silenciosa com que a Sporttv comentou o penalti contra o Sporting transformado em falta sobre o Maurício fiquei imensamente orgulhoso pelo facto de BTV ter logo admitido que o golo do Gaitan foi ilegal.


Adenda: Informaram-nos que o penalti não foi cometido pelo Maurício mas sim pelo Carrilho.

Três palavras para definir este jogo

Horrível
Horrível
Horrível

Depois da melhor exibição da época com uma derrota chegou a pior exibição da época com uma vitória. 

Jogo horrível também para Capela. vinte erros contra o Benfica e um a favorecer o Glorioso, deu em derrota das suas pretensões, teve azar.

Que os jogadores tenham umas boas férias.




P.S. Jesus acaba de inaugurar um novo estilo, o da fé na palavra. "Ainda não vi as imagens mas o Mota disse-me que estava fora-de-jogo e ele sabe ver as coisas, por isso eu acredito" - Genial

Dizem que Enzo Perez foi negociado ontem...


...para o Valência, por 25 milhões.

Não fazemos ideia se será verdade ou mentira mas pela conferência de imprensa de Jesus acreditamos que estará para breve o anúncio.

Enzo, depois de ter tratado da saúde de "su mamacita", foi sempre um jogador à Benfica pelo que lhe desejamos as melhores felicidades. 

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

O Blatter está farto de ver os países do Sul...


...baterem o pé às grande potências do eixo franco-germânico e anglo-saxónico. 

Isto sem falar na vergonha que é uma potência mundial como a Rússia ser, a exemplo dos riquíssimos países nórdicos, relegados para segundo plano pelos pobretanas dos espanhóis e imagine-se, pelos resgatados portugueses.

Os fundos ficam proibidos de ficar com passes de jogadores mas podem, obviamente comprar clubes que detenham os 'passes' dos jogadores ou quiçá comprarem 'passes' de dirigentes da UEFA e da FIFA! 

Esta nova medida da FIFA equivale a, por exemplo, os ricaços da Quinta da Marinha quererem proibir os Leasings e ALDs de automóveis para só eles poderem andar na estrada.

Se um tipo defender a acção directa...

O idiota útil do Gastar Vamos em declarações 
à Radio Ranascença emissora do 
Bispo aldrabão Torgal Ferreira

...pode ser considerado terrorista?

Por exemplo se um gajo defender o regresso ao PREC com a ocupação e destruição da emissora dita católica (na realidade andrupta) portuguesa é considerado revolucionário ou terrorista?


quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

O diabo está nos detalhes



Um jogo que perdemos nos detalhes, num corte falhado, num remate enrolado, numa má finalização. Podíamos ter goleado? Podíamos, mas a verdade é que estamos fora da Taça porque não fomos competentes nos detalhes.

É claro que jogar toda a segunda parte, contra uma boa equipa como é este Braga sem os dois lideres da equipa foi difícil. A equipa até se portou bem mas lá está, faltou a voz de comando.

Então e como vai ser hoje?



O bom Jesus vai impor-se à Nª Sraª da Conceição!

Nesta que é uma final antecipada apenas precisamos de lhes tirar a faca que trazem nos dentes e obrigá-los a jogar à bola.

Já agora apenas um reparo ao 'censor dos croquetes': A mote não é "Deixem jogar o Benfica" é isso sim: "Façam cumprir as leis do jogo" o que é diferente.




A Leonor em modo letal


Crónica de hoje da Leonor Pinhão
 

Um Brahimi não vale uma Torre de Lopetegui



Se para alguma coisa haveria de servir a imponente estrutura de sete metros na vertical que Lopetegui mandou erguer no campo no Olival para, lá do alto, semi-divino, observar a evolução de “los chicos”, serviria muitíssimo bem para, postada à frente de Maxi Pereira, impedir que o tal lançamento de linha lateral resultasse em golo.
Se alguma utilidade prática um dia se iria descobrir para o objecto em aço inoxidável plantado no relvado de modo que os jogadores passam o tempo a esbarrar naquilo que, ainda assim, deve ter custado uma pipa de massa, descobrir-se-ia que com um campanário daquela envergadura a dois metros de distância jamais Maxi Pereira conseguiria fazer a bola por si arremessada chegar ao coração da área e à anca de Lima.
Se um qualquer destino grandioso de fulgor tecnológico e de benefício estava reservado para a Torre de Lopetegui pela sua altura de majestade, desperdiçou-se a ocasião ao minuto 35, o minuto em que alguém da casa com autoridade na matéria, querendo legitimamente ver rentabilizado o projeto metálico e querendo ao mesmo tempo ganhar o jogo, deveria ter gritado da tribuna presidencial para o relvado:
- Julen, tira o Brahimi e mete mas é a tua torre à frente do Maxi!
É que, numa circunstância daquelas, um Brahimi não vale uma Torre de Lopetegui.
 
Confirmou-se, quase na plenitude, o difícil que é jogar para a Europa a meio da semana e jogar em Portugal uns poucos dias depois.
Das cinco equipas portuguesas que estavam ainda nas competições da UEFA na semana passada apenas o Benfica, que já se despediu dessas bonitas andanças internacionais, conseguiu vencer o seu jogo a contar para o nosso campeonato.
O Rio Ave e o Estoril, que também já estão fora da UEFA onde nem fizeram má figura, foram no fim-de-semana empatar a Guimarães e ao Funchal, o que nem é mau de todo tendo em conta as suas respetivas e legítimas pretensões internas.
Já o Sporting, que segue para a Liga Europa, só conseguiu arrancar um precioso e muito festejado empate em tempo de compensação no seu jogo caseiro com o insolente Moreirense.
Quanto ao Porto, que segue para a Liga dos Campeões com o seu “plantel de luxo”, perdeu o seu jogo caseiro a contar para o campeonato porque, porventura distraído com as suas glórias internacionais ou imbuído do espírito da tão celebrada “aliança”, abdicou de montar aquele sempre profícuo clima saudável de confrontação nas vésperas do encontro.
Esse suposto e inaudito desconchavo político e institucional, tão criticado nos dias seguintes por gente de altíssima categoria, teve, naturalmente, consequências. E grandes.
Ao ponto de o árbitro nem se ter sentido na obrigação de validar, como era da tradição, a Jackson Martínez aquela única bola que o colombiano fez entrar na baliza de Júlio César depois de a ter ajeitado para o pé com a mão.
Lamentável anulação de um golo irregular, francamente. Com o melhor árbitro do mundo em campo, meus amigos, outro galo cantaria. Enfim…
Cabe agora aos vencedores do jogo do Dragão não confundir os 6 pontos que levam de avanço com a ideia absurda de que está garantida a revalidação do título.
E cabe aos vencidos, por amor à retórica sem dor, continuar a cantar loas ao actual “plantel de luxo” confundindo-o com o já desaparecido “plantel do Lucho”, que sempre era outra música.

Esta é a semana de Jorge Jesus ser bestial. Há semanas assim na vida de um treinador. Jesus que até subiu ao relvado do Dragão com as orelhas a arder.
“Ardem-me tanto as orelhas”, confidenciou Jesus a Pietra, em voz muito baixa para não alarmar ninguém, enquanto se dirigiam para o banco antes do jogo começar.
Pietra, grande conhecedor da alma benfiquista, explicou-lhe com a maior calma do mundo: “É o pessoal todo furioso contigo por meteres o Lima e não meteres o Jonas.”
Ao que Jesus, encolhendo os ombros, logo respondeu a Pietra olhando-o de soslaio: “Ah, é por causa disso? Então já passa e não tarda nada.”
E, mais uma vez, não se enganou.
 
Júlio César esteve em excelente plano no domingo. O guarda-redes brasileiro tem contrato por duas temporadas e muito gostaria de o ouvir dizer em Junho de 2016, quando terminar o seu vínculo com o Benfica e, provavelmente, a carreira:
- Comecei no Flamengo onde fui campeão e termino no Benfica onde fui campeão. Entre estes dois colossos joguei uns anitos em Itália e também por lá ganhei umas coisas…
Sonhar é bom.

Tenho vindo a dar conta de que a derrota do Porto frente ao Benfica, que é sempre notícia, provocou e provoca maiores enguiços de alma e maioríssimos prantos de revolta entre os sportinguistas do que, como seria natural, entre os portistas.
E aproveito para os avisar:
Amigos portistas, vejam bem como esta “aliança” com o Benfica vos é contra-natura. É o Sporting que é o vosso grande amigo, não duvidem nem por um segundo.
De portistas anónimos, conhecidos e amigos, obviamente tristes com o resultado, ouvi dar os parabéns aos vencedores, ouvi as inevitáveis críticas ao treinador e constatei uma indisfarçável irritação com Brahimi por o argelino, segundo dizem, já estar “com a cabeça noutras paragens” para além de umas outras leves irritações com uns quantos dos seus jogadores.
Com toda a franqueza vos confesso que, vindo de um portista, foi isto o mais insultuoso que ouvi na noite de domingo:
- Olha, resumindo, o Benfica parecia o Porto e o Porto parecia o Sporting!
O que não deixa de ter a sua grande graça pelo que nem insulto se pode considerar. Eu, pelo menos, não considero.
A outro portista, meio a sério e meio a brincar, ouvi acusar o seu treinador pela campanha impecável na fase de grupos da Liga dos Campeões:
- Este é que era o nosso ano de estarmos na Liga Europa e nem a Liga Europa este ano podemos ganhar!
O que tem a sua lógica, ainda que derrotista. Convém lembrar a todos os interessados que o campeonato nacional está longe de estar entregue a quem, quer que seja quando ainda há 63 pontos por disputar e que a própria Liga dos Campeões ainda não tem vencedor embora tenha alguns fortes candidatos.
Já a amigos e a conhecidos sportinguistas ouvi coisas de outro jaez, mais sofrido, mais inconformado. A um até ouvi dizer que a vitória no Dragão tinha sido do Sporting porque “o Jesus é um sportinguista doente” e o que conta nestes jogos “é o treinador” pelo que, “uma vez mais” o Benfica “beneficiou, sabe-se lá como, de 3 pontos caídos do céu sem fazer nada por isso”.
Eu respeito todas as opiniões. Mas uma coisa é certa: se Jorge Jesus for mesmo um sportinguista doente, como dizem, nesse caso é o único sportinguista doente que não ficou doente esta semana.

Pinto da Costa foi visitar à prisão o ex-primeiro ministro. Que bom.
É que, muito simplesmente por não gostar de ver o envolvimento de símbolos do meu clube com a política e com a justiça, fiquei um bocadinho incomodada com a visita dos populares adeptos benfiquistas, “Barbas” e Jorge Máximo, ao ex-primeiro ministro detido. Respeitando, como é óbvio, todas as vontades e sem fazer juízos morais.
Agora com a visita de Pinto da Costa pelo menos neste capítulo já estamos empatados. Que alívio.

2 simpáticos canais no audiovisual português


Começando pela SportingTV que desde que está no ar transmitiu todos os jogos da formação do clube do Lumiar contra o Glorioso e sempre com o mesmo resultado, a vitória do Benfica e acabando no Porto Canal que depois do épico golo do Gonçalo Guedes que nos deu o titulo nacional de Juvenis tivemos ontem o chamado 'massacre de pau na mão' no Melão enCaixa com a vitória história por 3-7 à equipa do Tó Seven. A todos desejamos um Bom Natal.

Cada vez gostamos mais destes dois canais. Melhor, só mesmo o canal oficial, a SporkusTv que nos serve limonada de excelente qualidade enquanto visualizamos o espectáculo. O inconveniente é ser paga por isso temos de a ver no café o que não lhe retira a simpatia mas coloca-o fora da televisão lá de casa.




quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Pinto da Costa não foi visitar Sócrates

sacado descaradamente à pagina Yronikamente


Foi inteirar-se das condições que irá encontrar brevemente.

Percebemos que o poder está a mudar quando...


...os escribas oficiais do Império em queda, desatam a elogiar desmesuradamente o, até agora, inimigo.

Desde o sempre impreparado inventor e ajoelhado treinador que se estivesse ao serviço do clube imperial teria várias dúzias de pontos de avanço no campeonato até ao líder inimigo sempre apontado como um reles vendedor de pneus agora apresentado como a reencarnação de Alexandre o magno tudo serve para elogiar o novo poder.

Qualquer dia ainda lemos algum jornalista afirmar que o Futebol Clube do Porto foi fundado por José Monteiro da Costa no ano da graça de 1906.

Já faltou mais...






segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Se lessem menos poesia...


...e mais regras de jogo não faziam as figurinhas tristes que fizeram ontem à noite.

Como é possível que profissionais na área do futebol não saibam a regra 15 do desporto que comentam regularmente? O Freitas Lobo devia perder menos tempo a ler poesia para a aplicar a jogadas banais de futebol e mais tempo a estudar as regras do jogo.

A indignação dos comentadores da SporkusTv  pelo árbitro não ter deixado o Brahimi encostar-se à linha, no lançamento do Maxi, demonstra que são uns impreparados. A pergunta do jornalista na conferência de imprensa do Jesus prova que eles são ignorantes naquilo que deviam ser especialistas.

Deixamos aqui a Lei 15.


domingo, 14 de dezembro de 2014

O dia em que a Sangria ganhou ao Porto Vintage


Há comidas em que uma boa sangria acompanha melhor que um Porto Vintage uma dessas comidas é o campeonato nacional!

Com esta vitória, somos capazes de ter evitado a descida de divisão à qual estávamos sentenciados no inicio da temporada, partindo agora em perseguição à "maior potência desportiva" que hoje somou mais dois pontos ao fosso que nos separa.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Vá, dêem os parabéns ao homem. Tenham vergonha!

sacado ao nosso companheiro Manuel Eusébio

Só gostávamos de saber qual a razão dos parabéns. Se por ser o progenitor da BenficaTV, coisa que nunca se ouviu, ou se por ter sido ele o primeiro a criar um canal de clube? 

Se foi a segunda, salta à baila outra questão: Se o Porto Canal foi oferecido ao tal clube após o surgimento da BTV como é que o alegado pai é mais novo que o filho? Também não é possível. 

Resta uma terceira hipótese: É ele o Pai Fundador, o Grande Criador do primeiro canal de clube em Portugal, a SportTv. O Pinto da Costa, os Oliveiras, o Bessa Tavares não passam afinal de meros pais adoptivos da criatura gerada por Bruno Carvalho (sem 'de'). 

É bem verdade o velho ditado:

De filho bonito toda a gente quer ser pai!

Apenas uma curiosidade: 
Olhando de soslaio a página do individuo que deseja ser parabenizado, e projectando noutras páginas amigas a maravilhosa rede de améns que eles normalmente permitem que lá sejam publicados, podemos dizer que o canal BTV é como aquele bastardo enjeitado, pelos bobos da corte enxovalhado e pelos cantadores contratados apelidado de BieiraTv mas que se revelou que afinal era o herdeiro ao trono a quem todos agora prestam vassalagem.

Por isso concluindo:
Dêem lá vocês os parabéns ao homem que nós aqui, no Benfiliado, continuamos sem vergonha nenhuma!





A Leonor ainda acredita no Pai Natal! Nós... também


Atrasada (peço desculpa mas por motivos profissionais só agora foi possivel proceder a este serviço publico Benfiquista) mas aqui vai a cronica de ontem da Leonor Pinhão:

A paixão, o fair-play e a ciência

O Benfica despediu-se anteontem da Europa. Para recordar de bom desta campanha triste, apenas três situações:
1) Na Luz, os aplausos do público a recompensar a exibição digna e em inferioridade numérica no jogo como o Zénite. É a paixão.
2) Em São Petersburgo, a atitude de Nico Gáitan interrompendo o jogo quando se isolava ao dar conta que o adversário que o perseguia, Javi Garcia, caiu redondo a contas com uma distensão muscular. É o fair-play.
3) De novo na Luz, e no jogo da despedida, a apresentação em público do resultado de um trabalho laboratorial de aparente sucesso: a transformação de Pizzi num clone de Enzo Pérez. É a ciência.
A campanha foi triste mas não foi infame. O Benfica terminou o seu percurso europeu com 5 pontos que não lhe valem de nada mas que valeram, por exemplo, os mesmos 5 pontos ao Liverpool para seguir para a Liga Europa.
Já na temporada anterior, o Benfica somou 10 pontos na fase de grupos da Liga dos Campeões, 10 pontos que o relegaram para a Liga Europa enquanto noutros grupos o mesmo número de pontos chegou e sobrou a quem os somou para seguir em frente na competição mais importante.
Em Londres, o nosso Mourinho, na mesma semana em que acusou os apanha-bolas de serem responsáveis pela derrota do Chelsea em Newcastle, mostrou-se estupefacto com os “falhanços” europeus do Benfica.
É porque não viu os nossos jogos. Quem os viu constatou que o Benfica, perante três adversários de igual valia, só se conseguiu superiorizar ao Mónaco perdendo inapelavelmente nas duas “mãos” dos confrontos directos com o Zénite e com o Bayer de Leverkusen.
E porquê? Porque os adversários foram substancialmente melhores em campo. Não foi, certamente, por causa dos apanha-bolas que o Benfica saiu da Europa.

O denominado “caso dos casuals” que, na verdade, fez correr pouca tinta no rescaldo extra-futebol do último FC Porto-Sporting a contar para a Liga, volta agora aos jornais. O Ministério Público entendeu acusar 87 cidadãos do crime “de participação em rixa” e pede para todos a mesma pena: a proibição de entrada em recintos desportivos.
Foi também assim que a solene Inglaterra resolveu de uma penada o seu problema com os hooligans. Obrigando-os a apresentar-se em esquadras de polícia à hora dos jogos e, para reforçar a ideia, estacionando à porta dos estádios umas quantas carrinhas – “vans” em inglês –, logo humoristicamente apelidadas de “hollivans”, que de se destinavam a arrecadar da via pública qualquer espectador que se portasse mal ou que, pelos seus maus modos, constituísse ameaça ao decorrer pacífico da função.
Entre os 87 acusados de participação em rixa figuram adeptos de ambos os clubes – deveremos chamar-lhes adeptos? – e entre eles figura Fernando Madureira, o líder dos Super Dragões e autor da mais confessional autobiografia que honra a biblioteca do futebol português.
Cumprindo-se a vontade do Ministério Público, o que seria de pasmar, Fernando Madureira fica impedido de entrar em recintos desportivos. Fica, portanto, com mais tempo livre para emprestar toda a sua vasta gama de conhecimentos teóricos e práticos em ações de formação para jovens árbitros sob o alto patrocínio da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, vulgarmente conhecida por APAF.
Chegamos assim ao fim do ano com duas notícias - ainda longe de estarem confirmadas, note-se bem – que destituiriam o futebol português de duas das suas mais carismáticas personalidades. Ou não é?
1) O árbitro Pedro Proença garante que não apitará mais em Portugal.
2) O Ministério Público não garante mas recomenda a interdição do estatuto de espetador a Fernando Madureira.
Se assim acontecer, prevê-se um ano de 2015 com menos polémicas estéreis e com mais, muito mais ações de formação.
Querido Rúben Amorim, não voltes a cair na esparrela.

O Rio Ave encerrou o ano em bom estado. Um resultado líquido positivo de 20 mil euros foi apresentado e aprovado pelos sócios. É o sexto ano consecutivo em que o Rio Ave apresenta lucro. Estas coisas impressionam sempre. Parabéns ao Rio Ave, campeão das boas contas.

Vamos perder Maxi Pereira. Tenho muita pena. Basta ler os jornais para adivinhar que o uruguaio, cujo contrato com o Benfica termina no próximo Verão, certamente sairá neste Janeiro de modo a ainda permitir um pequeno encaixe ao clube que representou e defendeu (sim, defendeu muito) durante meia-dúzia de anos. Pelas minhas contas, Maxi Pereira nunca gozou férias tantas foram e continuam a ser as deslocações intercontinentais para jogar pela seleção do seu país. Nunca gozou férias nem nunca se queixou.
É verdade que algumas vezes nos fez perder a paciência mercê de umas “paragens” em campo, paragens de raciocínio, especifique-se. Porque paragens dessas à parte, Maxi nunca parou de correr por aquele corredor direito acima e abaixo, as vezes que fossem necessárias.
Leio hoje que o Liverpool se prepara para dar 5 milhões ao Benfica no Ano Novo pelos serviços do uruguaio que sairia de borla da Luz se cumprisse o seu contrato até ao fim. Por um lado, estou conformada. Por outro lado, ainda acredito no Pai Natal.

No sábado à tarde, na Luz, o Belenenses rematou pouco à baliza do Benfica. Rematou mesmo muito pouco. Um dos poucos lances perigosos do Belenenses aconteceu ao minuto 34 quando Fredy, depois de se desembaraçar de André Almeida, rematou fraco e ao lado do poste esquerdo da baliza de Júlio César.
No momento, dei comigo a pensar:
- Se fosse o Deyverson ou o Miguel Rosa a fazer um remate destes íamos de ter de ouvir das boas dos nossos impolutos rivais durante uma semana!
Mas o Deyverson e o Miguel Rosa, como é do conhecimento geral, nem sequer se equiparam à pala de um eventual acordo entre as SADs do Benfica e do Belenenses, ambas detentoras em percentagens desiguais dos direitos de transferência da famosa dupla ausente do antiquíssimo clássico lisboeta.
É o que se diz.
Nunca o Belenenses, nunca o Benfica falaram oficiosa ou oficialmente sobre este assunto. Perante o silêncio, a imprensa supõe e a opinião pública vive de suposições, o que sempre vai ajudando à festa.
Eu, por exemplo, suponho que se a moda pega internacionalmente qualquer dia deixa de haver jogos da Liga dos Campeões porque as grandes estrelas, pertencendo a clubes diferentes mas a fundos de investimento comuns, passam a constituir matéria permanente de conflito de interesses e, por essa legítima razão, nem se podem equipar.
Compreendo a revolta dos adeptos do Belenenses. Seria exatamente igual à minha se o caso se desse ao contrário. Trata-se de um episódio lamentável, dispensável independentemente das cores.
E causa-me incómodo e desgosto só de pensar que daqui a uns meses, no jogo da segunda volta, vamos ter de passar por isto tudo outra vez. Para quê?

Talisca entrou a matar na sua época de estreia na Europa e agora, que o fim do ano se aproxima, parece ter perdido gás e fulgor. Ouço dizer nos areópagos benfiquistas que a ida ao “escrete” lhe fez mal. Não concordo.
Outros, mais minuciosos, explicam a quebra de Talisca pelo facto de não gozar férias há mais de um ano. Concordo. Em questão de férias por gozar e de trabalho acumulado ao mais alto nível não é Maxi Pereira quem quer, só é Maxi Pereira quem pode. 
PS: Vendo ontem o Matic a jogar com a corda toda tive, por vezes, a doce sensação de que o Benfica, afinal, ainda estava na Europa.


quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Oportunidade histórica para o Sporting


Pode agora provar que todos aqueles que menosprezaram a dupla final consecutiva do Benfica tinham razão, vencendo, sem dificuldade, esta competição.

Tudo o que seja menos que isso pode contar com o nosso escárnio. 


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Ainda sobre o Nelson Oliveira.


Fui, agora ao almoço, rever os minutos em que Nelson Oliveira esteve em campo e pude constatar, agora com mais calma, algo que tinha percepcionado ontem: 

Nelson Oliveira fez tudo exactamente ao contrário do que o habitual Nelson Oliveira costumava fazer. 

Se ao poder físico e capacidade técnica o Nelson juntar a inteligência da decisão somos bem capazes de ter ali um dos melhores avançados portugueses.

Ontem ao tirar os olhos do seu umbigo e mirando o jogo na sua plenitude, Nelson Oliveira disse que ainda está a tempo de uma grande carreira. Assim seja!






terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Muita gente com o dedo no ar...


...a dizer: "presente Mister"!!!

Gostei de quase toda a gente, especialmente dos centrais, do Cristante e do Nelson Oliveira.

Depois de terem apresentado esta semana a nova Box360 do Caixa Futebol Campus amanhã irão apresentar a nova Replicate360A máquina que clonou Enzo Perez em Pizzi que foi só o melhor em campo.

Somos tão grandes...


...que encaramos a Champions como o Torneio do Guadiana: é para rodar!

E as más línguas escusarão de vir com o argumento de ser porque já fomos de 'vela' porque na primeira volta fizemos o mesmo.

Somos GIGANTES!!! 



segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Pior a emenda que o soneto



Vamos ser crentes e acreditar o que o 'Dragão de Ouro' e quase 'Águia de mérito' Rui Pedro Soares diz que o Benfica não foi tido nem achado na situação do Miguel Rosa e do Deyverson.

A ser assim ainda é pior a emenda que o soneto para o lado da nossa direcção. Custava muito terem desmentido "a proibição de jogarem" que tantos jornalistas aventaram?

Fazemos assim: na segunda volta a SAD do Benfica contrata-me por um dia - pró bono, não precisam de pagar nada - para o departamento de comunicação e faço publicar a seguinte declaração: 

"A Sport Lisboa e Benfica, Futebol SAD vem, na sequência de noticias postas a circular na comunicação social, esclarecer que não fez constar em nenhum contrato alguma clausula de proibição de jogar a nenhum atleta entretanto cedido a titulo de empréstimo ou definitivo."

Olhem nem precisam de me contratar, é só guardarem este post e copiarem! 

domingo, 7 de dezembro de 2014

Uma questão passional


Quantos de nós já não passámos pelo trauma de, após terminarmos uma relação, assistirmos à nossa 'ex' inventar-nos casos com todas a mulheres que lhe vêm à cabeça? 

A lagartada está nessa fase. O drama do fim da relação com os andruptos levam-os a inventarem todos os dias casos do se ex-amor com o Benfica! 

É apenas ciúme e despeito. 


sábado, 6 de dezembro de 2014

Isto começa a ser enfadonho


  • Desde que este gajo chegou à liderança da equipa têm o desplante de marcar em todos os jogos. 
  • 40 jogos seguidos sem perder

Depois admiram-se de não ter gente no Estádio, nem subscritores da BTV... não há suspense nem nada.

Um tipo ainda podia ir à bola com o argumento: "Olha,  vamos à Luz  marrar com o Lima". Agora até isso tiraram. Desmancha prazeres.

Os outros pelo menos arranjaram uma distracção, um passatempo, por assim dizer: "vamos apostar quantos minutos o 'PalSerge' consegue aguentar sem meter o Ivanildo em campo". Foram 73. Podiam ter feito o mesmo com o Miguel Rosa para que a gente se entretivesse. Tinham-o posto já com o resultado em 3-0 e a malta divertia-se. 

Há que melhorar estes pequeno detalhes no entretimento dos adeptos.







Mais embaraçoso que o Máximo e o Barbas...


...à porta de penitenciaria de Évora é a imagem do Miguel Rosa e do Deyverson na bancada da Luz!

Não são coisas à Benfica!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Que Deus proteja o Rosa e o Deyverson...


...de alguma lesão a subir para o autocarro como um outro jogador ou da visita de algum dirigente a pedir para não jogarem como aconteceu uma outra vez.

Oxalá possam estar aptos e que joguem o melhor que sabem.

Deixem o Benfica fora disso, se faz favor


Independentemente do que se sinta por Sócrates esta atitude do Barbas e do Máximo não tem lógica nenhuma. 

Se quiserem ir visitar o preso 44, podem ir, mas deixem o Benfica fora disso, por favor. 


quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Olha, a Leonor também se lembra...





Crónica de hoje da Leonor Pinhão


Não faltou nada ao Benfica que foi no domingo a Coimbra vencer tranquilamente a Académica. Nem vontade de vencer, nem um Gaitán inspirado, nem os golos com que se constroem os resultados e as vitórias, nada faltou para o cumprimento da missão.

O que fez falta, então, ao Benfica – 5.º clube no ranking da UEFA e duas vezes consecutivas finalista europeu - para não passar por esta vergonhazinha com quem ninguém contava de se ver afastado da Europa em Novembro?
Fez-lhe falta o Oblak? Ou o super-Garay? Talvez o Siqueira? E o Markovic? E o jeito que teria dado o Rodrigo? E o Fejsa, quando é que fica bom?
Toni, que como treinador foi campeão nacional e ainda levou o Benfica a uma final da Liga dos Campeões – portanto sabe do que está a falar -, explicou-nos no dia seguinte à desilusão europeia que este Benfica de 2014/2015 perdeu qualidade por comparação com aquele praticamente imparável Benfica de 2013/2014.
Alguém tem dúvidas sobre o juízo de Toni? Pois claro que não.
É verdade que o Benfica perdeu qualidade, e muita, e que o tempo da reconstrução carece de isso mesmo… de tempo. Mas também de obreiros à altura dos que se foram embora e foram-se muitos e bons.
O Benfica não teve sorte no grupo onde foi calhar? Não, não teve.
Ai, se nos tivesse calhado um Maribor… - lamenta-se.
Ai, se nos tivesse calhado um Bate Borisov… - continua-se a lamentar.
De fatores externos, estamos conversados.
No que diz respeito a lamentos de fatores internos também se pode elaborar uma listazinha pérfida:
Ai, se o Jonas tivesse sido inscrito a tempo…
Ai, se o Júlio César tivesse começado a época na Luz…
Ponto final é ponto final. Pela minha parte estão encerradas as lamentações sobre o tema europeu. Acabou-se, está acabado. O jogo da próxima semana com o Leverkusen é para cumprir calendário com os serviços mínimos de dignidade de modo a que ninguém se magoe e fique de fora dos dois importantíssimos jogos que se seguem: o Porto para o campeonato e o Braga para a Taça de Portugal.
Antes disto convém absolutamente vencer o Belenenses na Luz. Com todo o respeito pelo Belenenses, naturalmente.


Aconteça o que acontecer ao Benfica até Maio, que é quando tudo se apresenta decidido, dificilmente escapará Jorge Jesus à fama e à crítica de ter “desprezado” as competições internacionais em prol da conquista do segundo título consecutivo de campeão que falta ao Benfica há três décadas.
No entanto, se Jesus conseguir transportar o seu Benfica até à revalidação do título, tudo (enfim… quase tudo) lhe será perdoado. E se é verdade que o treinador, olhando para o que tinha à disposição, apostou tudo no campeonato nacional, talvez lhe venham dar razão os seus detractores da actualidade.
No fundo, pertencem à mesma escola filosófica que na temporada de 2005/2006 chamou os nomes todos a Ronald Koeman acusando-o de, por vaidade pessoal, se ter marimbado no campeonato nacional dos portuguesinhos para fazer uns brilharetes notáveis, ainda que em vão, na Liga dos Campeões dos tubarões.
Lembram-se?
O Benfica de Ronald Koeman, o treinador que hoje brilha no comando do surpreendente Southampton, não demorou a desistir do título conquistado na época anterior pelo Benfica de Trapattoni mas chegou com estrondo e fanfarra aos quartos-de-final da Liga dos Campeões depois de afastar o Manchester United na fase de grupos e de afastar o Liverpool nos oitavos-de-final vendo-se, finalmente, arredado do sonho pelo Barcelona que haveria de conquistar o troféu, como era de esperar.
Choveram então críticas como picaretas sobre o holandês por ter optado pela prova mais mirífica e com mais “status quo” a nível mundial quando tinha o nosso campeonatozinho de trazer por casa à mão de semear. A verdade é que Koeman acabou por não ganhar qualquer uma das competições, embora se possa sempre ufanar de ter conquistado em Agosto de 2005 uma Supertaça Cândido de Oliveira numa final com o Vitória de Setúbal.
Este ano, Jorge Jesus já conquistou a sua Supertaça de Agosto. E ainda pode ganhar uma quantidade de troféus de que a gente gosta. É esta, para já, a sua enormíssima vantagem sobre Koeman e sobre as escolhas de Koeman. Se é que os treinadores fazem escolhas…

Felizmente que a anunciada, temida e desprezada (cada cor, seu paladar) aliança estratégica entre o Benfica e o Porto não é assim tão aliança nem tão estratégica, isto no campo do realismo puro e duro. 
À primeira oportunidade, e como lhe competia, Pinto da Costa não perdeu o ensejo de recordar que o Benfica está fora da Europa. Aconteceu assim que terminou o jogo de mão-cheia com o Rio Ave, no Dragão. 
Explicando as dificuldades da sua equipa nos primeiros quarenta e cinco minutos da partida com os vila-condenses, o presidente do Porto mencionou o justo desgaste provocado pelo jogo europeu a meio da semana fornecendo como exemplos vivos do seu pensamento os casos do Mónaco e do Zénite, vencedores na quarta-feira, e derrotados nos seus respectivos campeonatos no fim-de-semana que se seguiu às glórias europeias.
Zénite e Mónaco…pois, pois… olhem só do que se havia de lembrar.
Houve, no entanto, benfiquistas que, cheios de boa-fé, até descortinaram um ténue rasgo de simpatia e de consolo nas palavras de Pinto da Costa sobre o assunto Europa e sobre o assunto Benfica fora da Europa. Talvez estejam certos. O que só torna o assunto mais melancólico.


O Boavista de Petit foi goleado na Madeira e, para ajudar à desgraça, viu três dos seus jogadores expulsos e, por isso mesmo, impedidos de defrontar o Sporting na próxima jornada do campeonato. Como o “plantel” do Boavista não é propriamente rico, muita falta lhe devem fazer as três forçadas ausências no próximo fim-de-semana. 
Durante largos anos no final do século passado o Sporting alimentou um trauma nas deslocações ao Bessa onde dificilmente conseguia pontuar. Foi na era do “Boavistão”. Mas as coisas mudaram muito, como é do conhecimento público. 
Na próxima sexta-feira, difícil de contornar pela equipa de Marco Silva apenas será o relvado de plástico do Estádio do Bessa e o espírito excessivamente indomável da equipa do Boavista que, sendo verdade o fenómeno de cada equipa tomar a personalidade do seu treinador, tudo vai fazer para reavivar a velha tradição. 
Independentemente das circunstâncias altamente desfavoráveis ao Boavista, qualquer jogo em que se meta com um dos três “grandes” será sempre um clássico. História é História. E cá estaremos para ver.


Assistindo através da televisão ao Académica-Benfica houve um momento em que desejei – e desejei muito – que o pobre do Samaris ainda não tivesse aprendido uma única palavra da nossa língua depois de uns quantos meses a jogar em Portugal. 
Que o desconchavado grego seja lento, de preferência lentíssimo, na intimidade com o nosso idioma, mesmo nas suas expressões mais vulgares, a ver se sobrevive moralmente incólume ao raspanete que levou do “mister” mesmo juntinho a um microfone postado na relva e que tudo captou. Raspanete, aqui, é um eufemismo, naturalmente.


Abel Xavier vai tomar conta do Farense, atual 12.º classificado da Liga 2. 
Noutros tempos, ainda recentes, dir-se-ia que o Farense, 12.º classificado, ocupava os lugares finais da tabela. No entanto, com o alargamento da antiga segunda divisão para 24 clubes – que loucura -, o Farense, 12.º classificado, ocupa precisamente o meio da tabela.
Felicidades, é o que se deseja ao Abel Xavier neste seu novo desafio como treinador.


Dez mil adeptos do Benfica deslocaram-se até Coimbra para apoiar a sua equipa no jogo com a Académica. O estádio estava bem composto e os adeptos benfiquistas deram o tempo, o dinheiro, a deslocação por bem empregues porque a equipa ganhou com clareza e nem houve lugar a sofrimentos. 
Pena que não regressassem a suas casas inteiramente felizes e orgulhosos, tudo por causa do comportamento delinquente de uns quantos, poucos, que se deliciaram a explodir petardos provocando uma inevitável intervenção da polícia e o consequente embaraço para as nossas cores. Não se acaba com isto?


Correm notícias de que Pedro Proença está zangado com Vítor Pereira e ameaça não mais apitar um jogo que seja em Portugal. Apoiado! Melhor dito, apoiadíssimo!