quarta-feira, 17 de julho de 2013

A PRAIA DOS PORCOS (palavras para quê?

Deixo para voces qualquer tipo de comentario


PdC e seu PT


24 comentários:

  1. Qual é o objetivo deste post ?
    Ah já sei :
    Too much time on their hands ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ena... até sabes estrangeiro e tudo!!!

      Eliminar
    2. The PIGS RIVERSIDE BLUES

      Eliminar
  2. O homem é presidente de um clube de futebol de COR AZUL, mas isso é apenas o papel que ele representa, na verdade não passa de um vulgar ladrão de rua. Ignorante, sem escrúpulos, incapaz, uma infeliz criatura a quem saiu a sorte grande. Ele é, hoje, aquilo que sempre quis ser, milionário. Não o planeou desta forma, mas as oportunidades apresentaram-se diante dele e lá espertalhaço e oportunista é ele!

    ResponderEliminar
  3. no ultimo jogo de paços o OMO LAVA MAIS BRANCO....

    «A lavandaria do costume. (...) Depois da estonteante vitória doS AZUIS, conseguida à custa de penalties sucessivos, assinalados por um dos favoritos da casa, a comunicação social afecta ao clube empenhou-se, nos dias seguintes, em nos tentar convencer que nada de especial ocorreu nesse jogo.

    SO MESMO DE PORKOS E JAVARDOS

    ResponderEliminar
  4. OS PORKOS FALAM ASSIM :

    “Lembro-me que disse e mantenho, que nunca seria presidente do FCPorto remunerado. Agora ser Presidente do Conselho de Administração é completamente distinto!

    ResponderEliminar
  5. CONTINUA A SINA E A VARA DE PORKOS ..

    Eu tambem já referi que o Nuno Cardoso, aquele que pensava que o PDM do Porto era daqueles livrinhos de colorir com lápis de cera, esteve lá a trabalhar, ou melhor, esteve lá escondido? Volto a dizer, é uma empresa de construção civil e obras públicas...
    Os favores pagam-se...e ele esteve lá a fazer EXACTAMENTE isso, a receber pelo favor que deu. Por coincidência temos a representar-nos como advogado um senhor chamado Gil Moreira dos Santos, que de certeza que sabe quem é, esse juiz pidesco, cabrão do caralho. Ele não estava lá pra trabalhar (foda-se, era só o que faltava, p´ra isso é que estamos nós lá), ele estava lá era p´ra estar quieto e caladinho, não levantar muitas ondas porque havia um processo em tribunal a decorrer relativa a favores vários que o gajo foi fazendo enquanto esteve na Câmara do Porto. Carrinho, telemovel, isenção de horario, era uma santa vida...
    Agora já saiu de lá, o processo já acabou, já podem deixar o pássaro sair da gaiola dourada...

    ResponderEliminar
  6. Opinião de um Andrade Honesto(?)
    "Vazaram hoje para o youtube as escutas feitas a Pinto da Costa, no âmbito do Apito Dourado. Elas reflectem não apenas suborno às arbitragens como também estratégias de controlo da comunicação social com o intuito de pressionar a comissão de arbitragem e a Selecção Nacional. Nelas está claro, a cada segundo, o envolvimento de muita gente ligada ao Porto e à Liga numa teia imensa de corrupção.
    Se justiça fosse feita, Pinto da Costa já estaria na cadeia – por tráfico de influências, corrupção activa e passiva, etc – e o Porto estaria hoje na 2ª Liga ou teria por lá passado. Como justiça é algo que não existe em Portugal, tudo ficou igual. Este caso não é único, obviamente, mas é público e vergonhoso. A corrupção no futebol português é transversal à maioria das equipas e isso não pode deixar de ser dito. Ainda assim, e para já, foram estes os apanhados em flagrante.
    Pinto da Costa já há muito que não deveria ser presidente do FCPorto. Bem sei que a maioria dos adeptos o idolatra, acha que tudo o que faz é bom e que não tem de ser punido porque “os outros também roubam.” A mim, tal não interessa. Hoje por hoje, tenho vergonha do meu clube e não apenas pela imagem que a equipa de futebol deixa – é, também, pela aura de corrupção que o clube tem em sua volta e que não vai nunca limpar, enquanto não for castigado devidamente. Meus senhores, façam o que têm a fazer, por mais que doa a muita gente e apliquem um castigo exemplar aos envolvidos.

    ResponderEliminar
  7. Ajuda do Benfica ao Porto (Outros tempos!)


    Parece impossível, mas não. É mesmo verdade. Foi a receita do clássico de 3 de Abril de 1960 que salvou o FC Porto do descalabro financeiro. Pelo meio houve um dirigente portista que pediu auxílio financeiro aos dirigentes Benfiquistas. Acabou despedido.

    ResponderEliminar
  8. As Golpadas da Quadrilha

    BCP financiou SAD do Porto
    Um negócio paralelo ao sistema bancário, onde se ofereciam juros altos, mas também empréstimos sem garantias ou contrapartidas. Terá sido assim no balcão das Antas do Banco Mello, entre 1998 e 2000, onde o economista Espregueira Mendes, administrador de uma empresa associada à SAD do FC Porto, era gerente.

    ResponderEliminar
  9. Ainda segundo o Ministério Público, para além dos clientes particulares foram também emprestadas elevadas verbas à SAD portista. Nos documentos consultados pelo CM há pelo menos referência a treze depósitos nas contas do clube. O valor total rondou os três milhões de euros e os depósitos foram feitos entre Agosto de 1998 e Dezembro de 1999.
    Recorde-se, ainda, que após uma auditoria, Espregueira Mendes, à data administrador da SAD do Porto, foi suspenso de funções.

    ResponderEliminar
  10. Empréstimos sem juros
    JOAQUIM OLIVEIRA: 10,5 MILHÕES
    O patrão da Globalnotícias, um dos maiores impérios de comunicação social, fez três empréstimos, num total de 10,5 milhões de euros. O primeiro foi contraído em 1998.
    João Espregueira Mendes: 300 MIL EUROS
    Irmão de Nuno Espregueira Mendes, João Espregueira Mendes viu ser depositado na sua conta uma verba de 300 mil euros. O depósito, que o MP apelida de financiamento, foi feito em Junho de 1998. A acusação sustenta que o banco não tinha qualquer garantia do pagamento por parte do cliente.
    Adelino Caldeira: 2 MILHÕES
    Adelino Caldeira, administrador da SAD portista, fez dois empréstimos ao Banco Mello. No total foram depositados na sua conta cerca de dois milhões de euros.
    M. João Espregueira Mendes: 7,5 MILHÕES
    Maria João Espregueira Mendes é casada com o administrador da Portocomercial, arguido no processo. Na sua conta foram feitos mais de duas dezenas de depósitos que ultrapassam os 7,5 milhões de euros. Cerca de um milhão terá passado pela sua conta, antes de entrar na de terceiros.
    António Oliveira: 1,5 MILHÕES
    António Oliveira, ex-treinador do Porto e um dos maiores accionistas da SAD, contraiu dois empréstimos com o Mello. As transferências totalizaram 1,5 milhões de euros.

    Empréstimos em tempos de euforia
    Os anos de 1998 e 1999, quando Joaquim Oliveira conseguiu o empréstimo sem juros, foram de euforia na Bolsa e os investidores que aproveitaram os ciclos favoráveis conseguiram acumular fortunas em mais-valias. A valorização do principal índice em 1998 foi de 25%, mas a amplitude entre o ponto máximo e o mínimo chegou a 90,16%.
    Ao ficar isento do pagamento dos juros, Joaquim de Oliveira poupou muitos milhares de contos. Nesse ano, a taxa média praticada no crédito à habitação, mais favorável que a usada para aplicações de risco, era em média de 8,2% ao ano. Em 1999 os juros tiveram tendência de descida, mas mesmo que só tivesse de pagar 5%, os mais de dois milhões de contos exigiam um esforço de juros de pelo menos 100 mil contos.

    ResponderEliminar
  11. ONDE ANDA ESSE PASSARO DOS ANDRADES um tal :

    Espregueira Mendes, à data administrador da SAD do Porto ...

    A JUSTIÇA EM PORTUGAL NÃO E CEGA ! VÊ E BEM ..

    ResponderEliminar
  12. Espregueira Mendes, ex-administrador da SAD do FC Porto e antigo gerente da agência das Antas do Banco Mello, foi condenado, no Tribunal de São João Novo, Porto, a SEIS ANOS DE PRISÃO EFECTIVA PELO CRIME DE BURLA AGRAVADA.
    No acórdão lido, o tribunal deu como provado que Nuno Espregueira Mendes “delineou e executou de um modo astucioso e cuidado um plano no qual oferecia aplicações financeiras (a clientes da agência das Antas do Banco Mello) com a garantia de juros líquidos superiores aos do mercado e do próprio Banco Mello”. “Espregueira Mendes não tinha autonomia para negociar tais taxas de juro e fê-lo sempre sem autorização (do banco)”, sustentou a juíza que presidiu ao julgamento.

    ResponderEliminar
  13. mas anda a passear com muito gel na cabeça nas ruas de cedofeita com vistas pras antas ,porque sera

    ResponderEliminar
  14. foi assim q os porcos com tanta trafulhice no curral das antas viveram e vivem a fartazana em portugal

    ResponderEliminar
  15. De facto é inaceitável. E injustificável os porcos viverem no luxo do " norte " ..

    ResponderEliminar
  16. MAS ENCHEU BEM OS BOLSOS DE MILHÕES DE EUROS AOS AMIGUINHOS DAS ANTAS ! E ASSIM VAI O PORTUGAL DOS PORCOS A VIVER A CUSTA DO POVO..

    ResponderEliminar
  17. EMPRÉSTIMO EM TEMPOS DE EUFORIA
    Os anos de 1998 e 1999, quando Joaquim Oliveira conseguiu o empréstimo sem juros, foram de euforia na Bolsa e os investidores que aproveitaram os ciclos favoráveis conseguiram acumular fortunas em mais-valias. A valorização do principal índice em 1998 foi de 25%, mas a amplitude entre o ponto máximo e o mínimo chegou a 90,16%.
    Ao ficar isento do pagamento dos juros, Joaquim de Oliveira poupou muitos milhares de contos. Nesse ano, a taxa média praticada no crédito à habitação, mais favorável que a usada para aplicações de risco, era em média de 8,2% ao ano. Em 1999 os juros tiveram tendência de descida, mas mesmo que só tivesse de pagar 5% , os mais de dois milhões de contos exigiam um esforço de juros de pelo menos 100 mil contos.

    ResponderEliminar
  18. Processo n.º 552/2010
    Acordam na 3.ª Secção do Tribunal Constitucional
    I — Relatório
    1 — Nuno Manuel Coelho Sameiro Espregueira Mendes foi condenado,
    por sentença proferida a 27 de Junho de 2008 pela 1.ª Vara Criminal
    do Porto, a seis anos de prisão, pela prática, como autor material, de um
    crime de burla agravada, previsto e punido pelos artigos 217.º e 218.º,
    n.º 2, alínea a), ambos do Código Penal.
    Inconformado, recorreu o arguido para o Tribunal da Relação do
    Porto que, através de acórdão proferido a 25 de Março de 2009, decidiu
    negar provimento ao recurso, alterando contudo, e ainda assim, a pena
    que fora aplicada em 1.ª instância, de modo a condenar o arguido em
    cinco anos de prisão.
    Nuno Manuel Espregueira Mendes apresentou então requerimento
    arguindo nulidades várias de que enfermaria o acórdão da Relação,
    referindo também obscuridade e erro material, arguição essa que, por
    decisão de 8 de Julho de 2009, veio a ser desatendida.
    2 — Recorreu então Nuno Manuel Espregueira Mendes para o Tribunal
    Constitucional ao abrigo do disposto na alínea b) do n.º 1 do
    artigo 70.º da Lei n.º 28/82, de 15 de Novembro (Lei do Tribunal Constitucional:
    doravante LTC).
    Dizia, no requerimento de interposição de recurso, que recorria, quer
    do acórdão de 25 de Março de 2009, quer do outro, subsequentemente
    proferido pelo Tribunal da Relação a 8 de Julho, por nele terem sido
    aplicadas normas cuja inconstitucionalidade havia sido suscitada durante
    o processo. Identificavam -se nesses termos quatro distintas questões de
    constitucionalidade que se pretendia que o Tribunal apreciasse.
    A 24 de Setembro de 2010 foi decidido sumariamente (ao abrigo do
    disposto no artigo 78.º -A da LTC) não tomar conhecimento de nenhuma
    dessas questões, por se entender que a respeito de nenhuma delas se
    perfaziam os correspondentes pressupostos de admissibilidade. Concordando
    com o assim decidido quanto a três dessas questões, reclamou no
    entanto o arguido para a conferência (artigo 78.º -A, n.º 3, da LTC) quanto
    à decisão de não levar a julgamento a questão restante, que se cifrava
    no problema de saber se seria ou não inconstitucional, por violação das
    garantias de processo criminal constantes do artigo 32.º da Constituição,
    a norma contida no artigo 358.º do Código de Processo Penal, no juízo
    interpretativo que dela havia feito o Tribunal da Relação do Porto, quer
    no Acórdão de 25 de Março quer no Acórdão de 8 de Julho, segundo o
    qual a “convolação” do ofendido ou da vítima, num crime de burla, não
    se traduz em uma nova “qualificação jurídica dos factos” para efeitos
    do disposto no artigo 358.º, n.º 3, do Código de Processo Penal.
    Justificou assim Nuno Manuel Espregueira Mendes a sua reclamação:
    O recorrente foi pronunciado e condenado em primeira instância por
    um crime de burla agravada, havendo -se entendido, nos correspondentes
    despacho e acórdão, que a vítima de tal crime (a pessoa ou entidade
    que sofrera o correspondente prejuízo patrimonial) fora o Banco de
    que era funcionário.
    (A matéria de facto relativa a eventual burla a Clientes, que estava
    na douta pronúncia foi, pois, considerada como não integradora do
    crime por que veio a ser condenado — artigos 1.º, a) e 338, n.º 4,
    ambos do C.P.P.)
    Recorreu — só ele! — da decisão.
    E, no Tribunal da Relação a quo, mantendo -se embora a condenação
    pelo mesmo “tipo” formal de crime, entendeu -se todavia, que a vítima
    ou vítimas do mesmo foram — agora — antes os clientes do Banco.
    Ou seja: o Tribunal de recurso «absolveu» o recorrente do crime de
    burla ao Banco e passou a «condená -lo» pelo cri

    ResponderEliminar
  19. continua.

    Ou seja: o Tribunal de recurso «absolveu» o recorrente do crime de
    burla ao Banco e passou a «condená -lo» pelo crime de burla aos clientes
    da instituição bancária;

    ResponderEliminar
  20. PC - Pois..., mas não, eu falo com o Antero e ele avisa!
    TT - Fala ... fala com ele, a dizer que lhe vão perguntar! PC – OK!
    TT - Está bom? PC - Está bem!
    TT - Pronto! PC -Está
    TT - Um abração! Está... PC - Um abraço!
    TT - Tem aqui coisas muito giras. Lê isto, amanhã, que tem aqui coisas muito giras! PC – OK! OK!

    ResponderEliminar
  21. Há suspeitas de que elevadas quantias de dinheiro provenientes de luvas pelas transferências de jogadores tenham sido transferidas para paraísos fiscais, colocando novamente Pinto da Costa no centro de uma investigação da PJ, anos depois de se ter iniciado um inquérito por branqueamento de capitais e extorsão no âmbito do processo Apito Dourado, avança o Correio da Manhã.
    Na investigação de branqueamento já foram detectadas várias fugas aos impostos, através da Imobiliária de Cedofeita, e a PJ aguarda agora a informação dos bancos que será determinante, explica o CM.

    Mesmo após a festa portista, Filomena Pinto da Costa publicou uma crónica no Correio da Manhã em que alertava já para essas mesmas luvas, garantindo que conhece os beneficiários dessas transferências.

    A contabilidade da Imobiliária – da qual Pinto da Costa é sócio maioritário – foi passada a pente fino pela PJ e preparam-se agora relatórios que indiciam a prática de crimes fiscai

    ResponderEliminar
  22. A alegada corrupção a árbitros de futebol era, inicialmente, considerada pelos investigadores como um dos aspectos menos importantes, do ponto de vista da relevância criminal dos factos em investigação, a quem interessava especialmente conseguir chegar à criminalidade económica a que estes nomes estariam associados. Note-se que o crime económico é até legalmente classificado como «criminalidade altamente complexa e organizada». Ontem de manhã, a Polícia Judiciária efectuou buscas na residência de Pinto da Costa e na Torre das Antas, edifício onde estão situados os escritórios da FC Porto, SAD.
    Só que se esqueceram de mandar alguns agentes para as saidas das garagens das antas !

    ps:porquê ! porque fugiram muitas caixas pelo funda das garagens sem q fosse revistados os carros e as pessoas q fugiram com ...

    ResponderEliminar

Caro(a) Benfiquista.
Aqui, no nosso blogue, a sua opinião é importante
Contribua para o debate livre.
Opine sobre o seu clube!